Você vive apagando incêndios?

shutterstock_628132016_peq
Banco de Imagens Shutterstock

Você vive em correria, sem tempo para nada, apagando um incêndio atrás de outro? Tem se sentido exaurido mas acredita que não tem opção? Então me acompanhe através desse texto e encontrará ideias interessantes que poderá aplicar imediatamente à sua vida, mudando a sua rotina e ampliando a qualidade de vida.

Antes de falar diretamente sobre como fazer isso acontecer, é importante entendermos o momento em que vivemos e como isso está afetando todas as formas de relacionamento. Por isso apresento a seguir um breve contexto.

Há não muito tempo, no que se entende por era industrial, a padronização dos processos deu escala e era o meio de fazer mais com menos. Era também o meio de reduzir erros operacionais e alcançar padrões de qualidade. Para se alcançar maior produtividade, as empresas investiam em automação e em profissionais com conhecimento, experiência anterior e dedicação. E dessa forma, quanto mais se trabalhava, mais se aperfeiçoavam os processos, produtos e serviços. Era um mercado de trabalho onde a carreira tinha maior sequência e era construída acumulando conhecimentos da mesma área e áreas afins. De certa forma eram momentos de grande valorização e ascensão para os “especialistas” e os mais diplomados.

Com o advento da internet e grandes saltos na tecnologia da informação, a relação de como alcançar maior eficiência e produtividade modificou completamente. Vivemos numa era onde a informação é abundante assim como a “desinformação”. Os meios de aprendizagem se multiplicaram e não depende mais da formação tradicional, que não tem conseguido acompanhar a velocidade das novas necessidades do mercado. E observamos a mídia digital “fabricar” especialistas da noite para o dia, até porque se tornou fácil ser visto e produzir conhecimento. E chegamos ao grande desafio de ter informação de valor e altamente segmentada conforme o público. No entanto, o público se tornou muito melhor informado e com necessidades mais distintas.

Saímos da era de padronização para se ter escala, para uma era de diferenciação e criatividade para criação de valor, seja enquanto profissional ou enquanto empresa. Com isso, modifica-se também o conceito de produtividade, tornando “o melhor” mais importante do que “o mais”. 

Continua sendo importante fazer mais com menos, mas isso não basta. A tecnologia elevou a quantidade de informações que são processados, armazenados e disponibilizados. E como consequência, somos demandados a lidar com um volume absurdo, inimaginável há poucos anos. Ao mesmo tempo, aumentou-se a capacidade de controle das organizações e a comparabilidade entre a produtividade de diferentes profissionais.

Igualmente na vida social, podemos constatar uma nova realidade nas relações, onde é opcional a profundidade das relações, mas quase obrigatória conhecer cada vez mais pessoas e ter “prova social” da sua importância e sucesso. As redes sociais se proliferam e as pessoas são tentadas a participar de mais canais do que são capazes de administrar com qualidade. Todos podem ser acessados a qualquer hora e estimulados a responder. E com maior facilidade para se ter contato virtual, ameniza-se e até substitui a necessidade do contato presencial.

Nesse cenário reforça a necessidade de desenvolver a competência de estrategista para ter maior produtividade. Porque se continuarmos tentando fazer de tudo e cada vez mais, o que alcançaremos não será eficiência, mas ansiedade e estresse. A falta de clareza sobre o importante, leva a uma rotina de muito trabalho, muitas urgências, com risco de perda de qualidade e dedicação de tempo significativo para o que pode não ter importância.

Vamos deixar claro: ser ocupado nem sempre é ser produtivo! E o tempo não foi feito para caber tudo o que aparece. Você terá que fazer suas escolhas.

A perda de competitividade nas organizações não está relacionada à falta de volume de trabalho realizado. Está relacionada à falta de visão sobre o que é mais importante para se alcançar o que deseja e a falta de estratégia para canalizar a energia e a maior parte do tempo de seus colaboradores nessa direção. É uma nova era onde talvez o aprendizado mais importante seja que o “menos é mais”. Se você consegue distinguir as poucas tarefas que trarão maior impacto com os resultados organizacionais, você contribuirá mais do que estar trabalhando mais horas do que foi contratado e ainda não conseguir terminar a longa fila de tarefas que o esperam.

O mesmo acontece com a vida pessoal. Muito do que acostumamos a fazer não tem mais importância, mas continuamos fazendo sem parar para questionar qual a importância se não fizesse.  É necessário aprender a lidar com um volume impossível de caber no nosso dia e começarmos a distinguir o que é realmente importante para voltar a ter domínio sobre a própria vida. A produtividade passa a a ser decorrente da melhoria do nosso processo de escolha sobre o que fazer no tempo limitado que todos nós temos.

Hoje a vida é centrada em seletividade e criatividade para produzir melhores resultados.

Como você vive determina os seus resultados na vida!

A essa altura, se você ainda mantém o pensamento de que é refém da situação e que precisa continuar apagando incêndios… Preciso lhe perguntar: você é bombeiro ou gosta de apagar incêndios? Sim, porque se você é bombeiro, tem mais que apagar incêndios mesmo. Mas mesmo pessoas que não são bombeiros podem acabar construindo uma rotina de estresse por gostar da adrenalina que as urgências trazem. Em geral esse mecanismo não é consciente, mas mesmo assim acaba estabelecendo uma forma de trabalho que procrastina o importante até que vire urgente. E nesse bolo de atividades urgentes, até o que não é importante acaba ganhando o nosso reduzido tempo. E quanto mais incêndios apagamos, mais capazes nos sentimos. Mas isso vem com um custo na qualidade de vida e na produtividade.

Se você se encontra nessa situação onde não vê saída e se sente cada vez mais cansado; acredite, é possível mudar. Mas a mudança começa em si. E a primeira pergunta que você deve responder como sim: Quero abrir a mão de dessa adrenalina?

O livro “5 Escolhas – O caminho para uma produtividade extraordinária“, fala sobre o desenvolvimento de 3 capacidades, necessárias e complementares para uma produtividade pessoal extraordinária: 1) Decisões de Alto Valor; 2) Atenção Focada; 3) Alta Energia.

As decisões de Alto Valor são o ponto de partida para a produtividade. No mesmo livro é apresentado o processo pausar, esclarecer e decidir (PED), onde enfatiza a importância em não se limitar ao piloto automático, mas sim a decisões conscientes que agreguem valor à sua vida.

Para lhe ajudar a adotar uma rotina de decisões conscientes, experimente utilizar a seguinte pergunta antes de iniciar o dia: Se eu tiver tempo para concluir somente uma tarefa hoje, qual trará resultados mais importantes?

Para aumentar a eficiência no uso do seu tempo e decidir o que deve continuar na sua “fila”, experimente a seguinte sequência de perguntas que faço para os meus clientes:

  • Tem que ser feito?
  • Tem que ser feito por você?
  • De que maneira deve ser feito? [Pense Simples!]

A Atenção Focada tem por base dois pontos críticos: a qualidade da atenção e a nossa capacidade em concentrar no importante em vez de reagir ao urgente. Algumas pessoas poderão precisar de treinar a qualidade de atenção e talvez as técnicas de Atenção Plena ou Mindfulness sejam muito úteis. Outras pessoas precisam desenvolver a capacidade de resistir à tentação do urgente. Nesse caso, o modelo da Matriz do Tempo do livro acima citado, vai lhe ampliar a consciência sobre o uso do seu tempo. Veja o quadro a seguir e faça uma rápida auto-avaliação sobre o uso efetivo do seu tempo. Distribua nos 4 quadrantes de forma a totalizar 100%. E reflita: Onde você está destinando a maior parte do seu tempo? O que isso diz sobre o seu modo de viver?

Produtividade2

Ao ter uma Atenção Focada no que é mais importante, você desenvolverá o que eu gosto de chamar de “acabativas”. Os resultados na sua vida não vem do quanto você trabalhou, mas do que você finalizou e se tornou útil para alguém. Então abrir muitas frentes e estar sempre ocupado, não garante o reconhecimento. Para que você colha resultados na vida é preciso ter início-meio-fim. É preciso ter mais “acabativas”.

Por mais que as pessoas valorizem quem é esforçado, tenha em mente que o que produz resultado são as entregas. Onde você estiver, a sua capacidade de concluir com a necessária qualidade, determinará resultados para você.

Então quando tiver decidido algo importante a ser feito, faça todo o possível para manter o foco até finalizar. Com o tempo, terá desenvolvido a prática da disciplina em ter “acabativas”.

A terceira capacidade necessária para uma produtividade extraordinária é a Alta Energia. É muito bom trabalhar com pessoas assim, melhor ainda nós somos assim e sentimos constantemente energizados. Mas não é fácil manter a Alta Energia.

Para que se tenha uma alta energia, é preciso compreender que somos um sistema integrado e interdependente, onde reúne o corpo, a mente e as emoções. Para que esse conjunto funcione bem é preciso zelar com ações concretas e periódicas. É preciso ter saúde física e mental. E é preciso que o que você faz tenha sentido.

Se considerarmos a saúde, os médicos lhe dirão que é preciso se alimentar bem, dormir o suficiente e realizar exercícios físicos. E tudo isso é essencial, para que tenhamos o suficiente para ter energia. Mas a motivação é a mola propulsora de Alta Energia. Como ter energia destinando tempo a atividades sem sentido?

Talvez esse seja o maior desafio: escolher fazer o que tem sentido para você ou encontrar sentido no que você faz no seu dia-a-dia.

Tendo saúde e motivação, você alcança a Alta Energia e realizará o extraordinário! Porque nenhuma barreira será grande o suficiente para a sua vontade de realizar!

Agora você deve estar pensando: posso até me organizar, mas logo surge outra coisa urgente. Não sou eu, mas o chefe que me interrompe… As coisas vão aparecendo e bagunçam o que planejei.

Deixa eu esclarecer uma coisa: a fila anda! Isso mesmo. A vida é dinâmica e aparecem coisas mesmo. A capacidade em estabelecer prioridades e manter focado é um processo vivo. A cada possível incêndio, cabe perguntar: o que acontece se eu não resolver isso agora? E conscientemente fazer escolhas considerando o conjunto de atividades e colocando na frente o que você considera mais importante.

Observo nas organizações onde presto serviços, a necessidade crescente de atitude e pessoas que resolvam. Mas observo também alguns dilemas:

  • Autonomia x Controle. Para que os colaboradores se tornem cada vez mais capazes de propor soluções e resolver problemas, é preciso ter maior autonomia. Igualmente para multiplicar resultados, a maior autonomia é crítica. Mas as organizações e especialmente os seus líderes temem que a autonomia não venha com responsabilidade e inteligência. Então buscam formas de controle, o que muitas vezes resulta na limitação da autonomia e consequentemente dos resultados.
  • Processos x Criatividade. Quanto maior a empresa, maior necessidade em organizar e documentar seus processos. E o tempo parece trazer o esquecimento sobre os motivos que originaram determinado processo e quais benefícios se quer assegurar. É quando se torna burocrático demais. Quando tudo tem o jeito certo de fazer, o ambiente se torna hostil para a criatividade, um fator crítico para a inovação e competitividade das empresas. Então se por um lado a criatividade poderá consumir parte da energia em ações sem resultado, por outro lado é fonte de inovações, algumas muito significativas. Como harmonizar e conviver?
  • Produtividade x Qualidade de Vida. Há um mito de que existe uma maneira certa de ter produtividade e que os colaboradores mais produtivos são os que mais priorizam o trabalho e não um balanceamento adequado com qualidade de vida. Então vamos começar dizendo o que sei que todos já sabem: as pessoas não são iguais e portanto serão produtivos em diferentes condições. E se não sentir que tem qualidade de vida, a organização pode até garantir a quantidade de horas de trabalho, mas não será capaz de assegurar a produtividade máxima. Pessoas exauridas se obrigam a trabalhar, mas o resultado não se compara a de pessoas altamente energizadas. Dar sentido ao trabalho a ser realizado é dever de todos os líderes. Mas é igualmente dever de cada, pois não importa o motivo pelo qual destina seu tempo, é o seu próprio tempo de vida! Faça valer a pena! Lembre-se que para alcançar ambas: produtividade e a qualidade de vida, a chave é o uso inteligente do seu tempo.

Nesse último ponto, convido o leitor a ampliar o olhar. A qualidade de vida com certeza não se restringe ao ambiente de trabalho. Teoricamente, todos querem qualidade de vida. Na prática, quantos fazem de tudo para ter qualidade de vida? Existe qualidade de vida se estivermos vivendo um conflito interno? Você já se percebeu dividido entre ficar com a filha que está lhe pedindo maior tempo e ir fazer um trabalho que está com prazo apertado? Cada situação mal resolvida divide a nossa atenção, reduzindo a produtividade. E não temos apenas um papel. Então como definir os mais importantes papéis que queremos ter e organizar a nossa hierarquia nesse momento de vida?

Sem a clareza do que realmente importa para nós em cada esfera de atuação, teremos dificuldade em estabelecer nossas prioridades e agir de forma a ser produtivo. Então observe a imagem abaixo.

você2

Defina o que é importante para você em cada esfera. Estabeleça  que você não abre a mão. E sempre que se sentir dividido entre duas tarefas importantes. Negocie consigo e com quem é diretamente afetado. Você não precisa fazer tudo ao mesmo tempo. Ao encontrar uma solução para atender às várias tarefas importantes, você evitará viver em conflito interno. O que permitirá a Atenção Focada, que leva a produtividade ampliada.

Finalizo com a seguinte reflexão: Se você fosse mais produtivo, o que de importante muda na sua vida?

Se você encontrar uma resposta que faça sentido para o seu racional e igualmente faça o seu coração bater mais forte, então terá encontrado a mola propulsora para mudanças significativas na sua produtividade.

Recursos não faltam. O ponto de partida será a partir do que realmente importa para si e aceitar que o tempo é limitado e terá que fazer escolhas. Quanto mais praticar, mais suas escolhas serão sábias.

E quem sabe, no lugar de apagar incêndios, poderá ampliar espaço de tempo de qualidade para conviver com pessoas que você ama e aprender coisas novas que farão toda a diferença na sua vida e carreira?

Se você gostou desse artigo, deixe o seu comentário e acompanhe esse blog para ser avisado quando tiver novos textos.

Por que conflitos são necessários?

Banco de Imagens shutterstock_530804242
Banco de Imagens Shutterstock

A ideia desse artigo é explorar os mitos em torno de conflitos e trazer novas perspectivas para lidar com o tema, com impactos positivos nos relacionamentos, seja na sua vida pessoal ou profissional. No lugar de basear em pesquisas científicas, gosto de trazer o leitor para exemplos observáveis em sua vida, sem que precise ser certo ou errado. Então fica o convite de buscar observar o que acontece, o que significa para cada um e o que podemos aprender para uma vida melhor.

Volta e meia comento sobre isso, mas quero reafirmar que aprendo muito com as pessoas com quem convivo. E aprendo muito também com meus clientes, que trazem questionamentos e reflexões fantásticos! Em tudo que faço, vem um pouquinho do que aprendi com as muitas pessoas com quem tive a oportunidade de conviver. Por isso, esse artigo é especialmente dedicado a elas!

Começo o tema desse artigo com a seguinte reflexão. Se você for perguntar para dez pessoas sobre se gostam de conflito, provavelmente todos lhe responderiam que não. É até natural que não se goste de conflitos em si, mas sem conflitos, se acumularia muito mais desconfortos, mágoas, sentimento de vítima e raiva, sem chance de solução. Isso faz sentido?

Possivelmente muitos de vocês estarão pensando que o conflito é sempre ruim e seria bom não ter. Então convido-os a acompanhar como vejo isso.

Acredito que somos únicos e portanto diferente de todos os outros no mundo. Algumas pessoas podem ter muitas características em comum conosco, enquanto outros, aparentemente, nada em comum. Se somos diferentes, então pensamos e agimos diferentemente. E por isso mesmo, o que fazemos e falamos pode ser compreendido de forma totalmente diverso da nossa real intenção. A mesma coisa o outro, mesmo com a melhor intenção em nos ajudar, pode se colocar de uma forma que para nós significa pouco caso ou algum outra percepção negativa.

A diferença entre as pessoas exige maior esforço de compreensão e de colaboração. Mas nem sempre estamos atentos ou dispostos a isso. Quanto maior a diferença entre as pessoas, maior a chance de conflitos. Sempre? Não necessariamente. Todas as pessoas tem o seu mecanismo, consciente ou não, de lidar com suas dificuldades. Quando nos encontramos em uma situação que não sabemos lidar, acionamos o nosso mecanismo de proteção. É muito comum a fuga, mas para algumas pessoas o enfrentamento é o padrão. As pessoas que tem por mecanismo a fuga, podem se silenciar, distanciar da conversa ou até do ambiente, desconversar ou mudar a conversa. Enquanto as pessoas cujo mecanismo é de enfrentamento, podem levantar a voz, utilizar-se de palavras ásperas, demonstrar agressividade ou até desqualificar quem está à frente.

A depender do quanto você fica incomodado com alguém, em especial, se acredita que feriu seus valores, a sua reação natural será proporcionalmente intensa ao quanto você se sentiu afetado, seja na fuga ou no enfrentamento. Um padrão é melhor que outro? Depende com quem você está lidando. Algumas pessoas preferem discutir do que ser ignoradas. Outras podem preferir “o que os olhos não vêem (e ouvidos não escutam), o coração não sente“.

Mas é interessante observar as consequências comuns de cada padrão. Quando não se conversa sobre o desconforto, nem sempre o outro sabe que lhe causa desconforto ou que tem diferenças a lidar. Quando se enfrenta sem preparo, pode agravar as emoções negativas do outro e acrescentar outros elementos de mágoa.

O conflito tem uma função preciosa de sinalizar que tem algo importante para você, que está mal resolvido. Faço uma comparação. Quando o seu corpo não está bem, a dor e a febre são sinais frequentes. Quando algo não vai bem entre várias pessoas, o conflito é um importante sinalizador da relevância e tamanho do desconforto. Em qualquer interação com pessoas ou expectativa de relacionamento (de qualquer tipo), o conflito é um ótimo sinalizador de que as pessoas se importam mas estão com dificuldades em “digerir” algo. E nesse ponto, vale a sabedoria da época das avós: é conversando que se entende. Mas conversar sem levantar a defensividade das pessoas é uma arte. Todos nós conhecemos algumas pessoas com especial talento a falar sobre qualquer assunto sem que os outros se sintam agredidos. Também conhecemos pessoas que seja qual for o assunto, parece que tem um jeito especial de provocar reações negativas nas pessoas. Vale a reflexão de que tipo de pessoa queremos ser. Pergunto: o que muda na sua vida se puder falar sobre tudo com as pessoas à sua volta sem agravar conflitos? E o que muda na sua vida se no lugar de sofrer, ressignificasse o conflito como estímulo para melhorar o relacionamento?

Há uma grande oportunidade de aprendizado com os conflitos e nos tornam mais conscientes de que somos humanos e nos desentendemos. O ponto chave não está em ter ou não ter conflito, mas como você deseja lidar quando está envolvido em algum conflito. O como você lida pode determinar os seus resultados naquele relacionamento e pode explicar muito dos resultados que você conseguiu ou não na sua vida. Lembre-se que o pior estágio de um relacionamento não é um conflito, mas a total indiferença. Quando nada mais importa, também não há porta de passagem para alcançar o coração do outro.

Para quem ainda tem alguma dúvida, sugiro que imagine como seria a sua vida se soubesse lidar bem com os conflitos? Na sua percepção, diminui ou aumenta a quantidade de conflitos? As pessoas à sua volta se sentiram afetados de que forma? E o mais importante, como afeta você e seu bem estar?

Agora se você prefere evitar conflitos e escolhe o padrão de fuga, só posso ficar na torcida por você de que a outra pessoa envolvida seja mais sábia e lhe ajude a lidar com o que você tem dificuldade de enfrentar. Porque quanto mais importante for aquele relacionamento, maior fica o problema não resolvido! E com o tempo é tanta história e mágoa acumulada que não será capaz de olhar o relacionamento sem a “lente” do que acumulou. Quanto isso lhe custará? Pense nisso!

Que você possa encontrar a sua forma de enxergar uma perspectiva positiva dos conflitos e com isso tornar o difícil, mais fácil. E nessa jornada, ficará cada vez mais forte e capaz de construir excelentes relacionamentos com conflitos de menor intensidade e frequência.

O meu desejo para você e para o mundo é que todos nós possamos ser capazes de tomar a iniciativa para construir a vida de qualidade que queremos! Que você possa ter uma vida próspera e de evolução contínua!

Espero que esse artigo tenha contribuído com você! Dúvidas e comentários são muito bem vindos! E se você gostou do artigo, acompanhe o blog e se faça presente!

Wang Ching

 

Reflexões sobre o Coaching, uma profissão ainda não regulamentada

shutterstock_531851893
Banco de Imagens por assinatura: Shutterstock

Esse texto é dedicado a pessoas que buscam formar suas próprias convicções sobre o tema coaching e procuram informações consistentes para sua análise. A minha pretensão não é estar certa ou errada, mas contribuir com a reflexão de um assunto que tem tido crescente interesse da mídia e da população como um todo, no entanto, ainda reside tanta polêmica.

É importante deixar claro, que todas as minhas colocações aqui, não representam a voz de nenhuma instituição, citada ou não, mas de uma coach dedicada a buscar continuamente a excelência no que faz.

Começo então com a pergunta: a profissão de coaching é ilegal? Não. A base legal da ilegalidade é: “Exercer profissão ou atividade econômica ou anunciar que a exerce, sem preencher as condições a que por lei está subordinado o seu exercício.” Pergunto: como pode ser ilegal se ainda não há lei que subordine o seu exercício?

É necessário a regulamentação da atividade de coaching para que seja exercida? Também não. Muitas atividades praticadas, tem reconhecimento da existência em algumas legislações e enquanto atividade econômica, recolhem impostos, mesmo as não regulamentadas enquanto profissão. Observando a história, a atividade começa primeiro por alguma necessidade no mundo. E à medida que se crescem seus impactos, podem vir a ser regulamentadas ou não. No Brasil, o percentual de profissões não regulamentadas segundo algumas pesquisas, ultrapassa a 95%.

A profissão coach atua em funções privativas ao psicólogo? Não deveria. O fato de necessitar de conhecimentos comuns não o qualifica como mesma forma de atuação. Se o psicólogo tiver matérias de sociologia, o torna sociólogo ou alguém que pratica a profissão de sociologia? Se na formação de marketing ou licenciatura tiver matérias de psicologia, significa que haverá exercício ilegal da psicologia? Penso que se existe na grade curricular determinada matéria é porque o conhecimento é importante para o futuro profissional, mas o que distingue é como utilizará o conhecimento na prática profissional. O uso de conhecimentos diversos para melhor apoiar a prática da sua própria atividade profissional, com fronteiras específicas, sem assumir funções privativas de outras profissões, é legítimo.

Essa reflexão me levou a pensar se a origem de muitos entendimentos precipitados e equivocados não seria na falta de conhecimento do que é Coaching e o que não é Coaching.

Adicionalmente, talvez não esteja claro que maus profissionais existem em qualquer atividade, seja regulamentada ou não. Isso não deveria desqualificar a atividade, mas àqueles que não adotam as boas práticas ou desrespeitam a Lei.

Então vamos entender um pouco melhor o que é coaching. Na ausência de regulamentação no país, eu me baseio em padrões e instituições de credibilidade internacional. Segundo ICF – International Coach Federation, uma instituição sem fins lucrativos e fundada em 1995, considerado um recurso mundial de informações e pesquisas sobre o coaching: “Parceria com o coachee através de um processo provocativo e criativo que inspire a maximizar o potencial pessoal e profissional”. Denomina-se coachee a pessoa que está sendo atendida pelo profissional coach.

Também conforme a ICF, o que não é coaching: a) Consultoria; b) Terapia; c) Aconselhamento. O Código de Ética da ICF e o documento intitulado 11 Competências Fundamentais de Coaching (Core Competences), são bases de excelência para a atividade e define o conceito e fronteiras. E um documento base intitulado 10 Indicadores (Top Ten Indicators to Refer a Client to a Mental Health Professional) orienta seus associados coaches a convidar o seu cliente a procurar ajuda de profissionais de outras especialidades, quando alguns indícios são observados, levando a refletir se o que ele precisa pode não ser coaching.

Vamos deixar claro. O coach não diagnostica, não aconselha, não dá orientações e nem dá soluções. O coach proporciona condições para que o cliente identifique e utilize melhor recursos internos que já têm e por qualquer motivo, não têm utilizado para alcançar seus objetivos. Como exemplo, vou citar hábitos, que todos temos. Os hábitos são desenvolvidos em algum momento para “facilitar” a nossa vida. Fica mais fácil e automático fazer algo que queremos ou precisamos de fazer. Mas a vida segue e mudanças acontecem, tanto no cenário à nossa volta, quanto internamente passamos a querer mais e até novas coisas. Alguns hábitos ajudam a nova realidade, outros poderão ser entraves. O que o coach faz? Pergunta de que forma o cliente percebe que o hábito influencia nos objetivos futuros.

Agora convido-os a ampliar o olhar para entender porque o coaching funciona. O Coaching trabalha com o cliente 3 elementos essenciais: confiança, consciência e escolha. Vamos clarificar. Sem confiar em si o cliente não buscará soluções diferentes e limitará ações, o que limita resultados diferentes na sua vida.  Mas confiança sem consciência de si e fatos que afetam a sua vida, limitará a qualidade de suas ações. A consciência é primordial para que o cliente aprenda com a própria experiência e melhore as futuras escolhas para si. Por isso muitas técnicas e ferramentas trabalham para ampliar a consciência como base fundamental para encontrar as opções e fazer escolhas. Mas de quem são as escolhas? No coaching, as escolhas são sempre do cliente. Uma função essencial do coach é de apoiar a desenvolver novas e mais eficazes formas de aprender e realizar para si.

Agora eu pergunto a você, leitor: se você tiver um espaço onde se sinta confiante a buscar alternativas, que o auxilie a examinar e explorar momentos de vida sem julgamento e ainda preserva o seu direito de escolha; você estaria mais comprometido com sua vida e encorajado a correr atrás de seus objetivos?

Pois isso é coaching. E é um mercado crescente porque existe a necessidade e tem apresentado resultados. E se considerarmos o cenário de crise, se torna altamente atrativo para quem busca oportunidade de atividade profissional, estando ou não preparado.

Então fica a todos nós o desafio da qualidade e responsabilidade nessa atividade, que como todas as atividades existentes, regulamentadas ou não, também tem impacto na vida das pessoas.

Se você é coach, eu o convido a buscar padrões mais elevados continuamente, reunindo melhor formação com a prática responsável e continuada. Fica a reflexão: que coach você deseja ser?

Se você é um potencial cliente, eu o convido a entender melhor o que é coaching. E quando for o momento de contratar um coach, busque evidências da qualidade e responsabilidade que você deseja nesse profissional, para fazer valer a pena o investimento, seja para si ou para a organização que você representa. Acredito que há grande diferença entre os muitos que se intitulam coaches. Existem os com e sem formação de coaching. Existem os com formação em escolas de longa tradição ou em escolas recém-criadas. Existem os que têm várias formações e os que pararam no tempo. Existem os com experiência prática recente e outros com larga experiência e recomendação de clientes. Então fica a reflexão: que coach você deseja contratar?

O mundo tem acesso a melhores técnicas de coaching e entidades de referência. Mas é necessário que elas sejam apropriadas pelas pessoas, seja quem pode exigir ou quem vai oferecer.

E independentemente da polêmica, o coaching veio para ficar simplesmente porque atende a determinadas necessidades humanas de desenvolvimento. No dia que perder o sentido, deixará de ser procurado.

Só posso dizer que amo o tema e me dedico a estudar continuamente, porque me abre um mundo de possibilidades para despertar e utilizar o meu potencial e dos muitos com quem me encontro na vida!

Eu acredito no coaching! E você?

Se você gostou do texto, compartilhe! Vamos construir um mundo melhor a partir de melhores informações e de ter um olhar para o construtivo. E isso não acontece isoladamente, mas com a soma de pessoas que acreditam!

Você está realmente “Presente” na sua vida?

shutterstock_226983934_peq.jpg

Esta é uma reflexão sobre a qualidade de vida. Sobre escolhas e sobre realmente vivenciar os momentos em vez de estar sempre em correria e já pensando na próxima atividade. Penso em como os relacionamentos se “empobreceram” com a falta da presença. E com o tempo… até nos perdermos de quem nós somos, por estar mais conectado em FAZER do que em SER.

Quantos instantes preciosos simplesmente passam porque não estávamos atentos?

Veja se você já se viu em algumas dessas situações:

  • Você já se percebeu com pessoas à sua volta e não tinha a menor ideia do que estava sendo falado?
  • Já se pegou rindo de uma piada que não entendeu?
  • Já passou por amigos num shopping, sem ver porque estava imerso em seus pensamentos?
  • Já segurou um livro passando os olhos nas letras sem absorver?
  • Lembra-se de ter trabalhado horas e até dias em cima de um projeto e seu chefe lhe diz que entendeu tudo errado?
  • E o que você faz quando é sua filha que diz: olha para mim!

A vida pode estar passando enquanto nos distraímos. E fica o sentimento de que não aproveitamos bem o tempo.

Nem sempre mais é realmente mais. Às vezes para SER MAIS, é preciso FAZER MENOS. E como resultado: VIVER MELHOR!

Seja pelo prazer ou pelo desempenho, estar presente vai aumentar a sua qualidade de estudo, de trabalho, nos relacionamentos e na diversão. Mas como chegamos nessa situação de viver sem estar realmente presente na própria vida? 

À medida que ampliam opções e recebemos uma quantidade muito maior de informações e até de oportunidades, proporcionalmente parece ter aumentado a ansiedade em não perder nada. Aquela cobrança em conseguir fazer e ter mais e mais. Nada errado em batalhar por melhores condições para o seu futuro, mas será que é um bom preço se for a custa de qualidade no momento presente?

O que você pode perder enquanto a vida passa? Afinal, num instante, temos mais idade, não temos mais disposição, as crianças crescem, os amigos se mudam, etc…

Mas criamos muitos mecanismos na expectativa de caber mais, que nem percebemos que não registramos mais o que vale a pena.

Nesse ponto, quero levantar a questão de escolhas. Muitas vezes não escolher o que é prioridade para nós, também é uma escolha. Se você não pondera e faz escolhas, fica mais fácil basear na esperança, de que vai sempre caber mais algo. E o foco se torna quantidade e não o que é mais importante.

Você conhece alguém que não tem nenhum horário livre na agenda, como se fosse possível não ter imprevistos? Você conhece alguém que está num restaurante com a família, mas não larga as redes sociais no celular? E pessoas que fazem tanto curso, mas mal tem tempo para colocar em ação algo novo que aprendeu?

As perguntas que naturalmente vem à mente: para que planejar uma agenda que não tem como cumprir? E se não o tempo não der, o que vai ficar de fora é o menos importante? Para que estar com corpo presente em um grupo e a mente em outro? Para que se estuda tanto, se não der tempo de usar os novos conhecimentos?

Uma vez ouvi de alguém muito sábio: tenha apenas o que você precisa. E faz muito sentido, porque tudo se paga com horas de vida. Se gasta tempo para ganhar dinheiro e compra algo que não precisa, ainda assim, o que comprou lhe custou horas de vida!

Mas você pode estar pensando: é mais fácil falar que fazer. E não tenho menor dúvida disso, em especial se você estiver vivendo a mil por hora, “pedalando o mundo”.

Mas se você quer ter qualidade de vida, deve aprender sobre duas coisas: fazer escolhas e ter presença.

Ao aprender a fazer melhores escolhas para si, vai perceber que se torna mais fácil aproveitar o momento e estar presente. Mas como se faz melhores escolhas? Fazendo!

Como assim? Fazendo? Isso mesmo. Coloque-se em ação para fazer escolhas pela sua vida sempre que tiver mais de uma atividade disputando a sua atenção. E observe a medida que faz suas escolhas, o que fez sentido e o que faria diferente na próxima vez. É um processo de consciência e de assumir a responsabilidade pelo que é melhor para si.

Um recurso que pode lhe ajudar a se situar em reflexões e pensar sobre suas prioridades é o volume “Meu Outono, Minhas Escolhas“, do MyActionBook. É de minha autoria e pode lhe ajudar a se conhecer e melhor entender o que é importante para você.

Mas saiba que mesmo quando se escolhe e quer estar presente, nem sempre é simples. Às vezes tem simplesmente muitas interferências na sua mente, que você não consegue calar. Fica inquieto, distraído e até ansioso. Isso quando não alimenta raiva ou angústia por algo que às vezes nem aconteceu, mas na nossa imaginação, só de imaginar que poderia acontecer, já se expandiu e a emoção tomou conta.

Saiba que se você quer aprender mais e desenvolver a capacidade de estar mais no presente, é possível. Não importa qual tarefa, você pode estar mais presente na sua caminhada, brincando com sua filha, tomando um café, fazendo o seu trabalho ou lendo. Não importa o que, é possível se você estiver disposto a mudar.

Um termo em inglês que vem sendo cada vez mais objeto de pesquisa é Mindfulness, traduzido como Atenção Plena. O chamado Mindfulness conta com evidência científica e comprovada eficácia, surgiu na Universidade de Massachussets por volta dos anos 80. Atualmente, em todo o mundo existem estudos e escolas que disseminam suas práticas, como forma de trazer qualidade de vida e redução do stress. Uma grande referência no mundo é La Universidad de Zaragoza, na Espanha, que oferece o Master de MindFulness. Um centro de referência no Brasil é a Mente Aberta Mindfulness Brasil. Mas se você busca uma leitura consistente, conheça o livro Atenção Plena – Mindfulness – Como encontrar a paz em um mundo frenético, de Mark Williams e Danny Penman, encontrada nas principais livrarias do Brasil em português.

O que se pode aprender de interessante com este tema? Muita coisa! Em primeiro lugar, estado de atenção plena é algo simples, mas nem por isso fácil de alcançar. Estar desperto e consciente do momento presente não parece acontecer naturalmente num mundo hiper-conectado e de cobranças em que vivemos. Imagine como seria a sua vida se você tivesse maior presença com as pessoas, numa entrevista de emprego, na preparação para uma prova, na elaboração de orçamento de projeto e até doméstico!

Nesse livro, você poderá aprender sobre como acontecem as muitas interferências na nossa mente e como interferências emocionais acontecem. Por exemplo entender que emoções são feixes de pensamentos, sentimentos, sensações físicas e impulsos para agir. Ao se observar terá oportunidade de registrar como se processa em você.

Poderá aprender várias técnicas para conectar-se com o momento presente, que incluem meditação (vem com CD), mas não somente.

Para mim a maior contribuição está numa parte singela, mas profunda na página 36: Mudar sua perspectiva pode transformar sua experiência de vida, seja por um ponto de vista diferente ou por um ponto diferente no tempo. O livro traz evidências e técnicas para mudar a “paisagem interna” ou também conhecido como “paisagem mental”, de forma que você possa deixar de depender das circunstâncias externas para encontrar a felicidade, o contentamento e o equilíbrio. Em resumo: a atenção plena surge espontaneamente do modo Existente quando aprendemos a prestar atenção deliberada, no momento presente e sem julgamento nas coisas como de fato são.

Faça uma experiência de atenção plena e veja como o mundo se transforma quando você presta mais atenção nele. Escolha uma tarefa simples que faz volta e meia, por exemplo tomar o café da manhã. Faça a escolha consciente de quanto tempo deseja destinar. Vamos supor que defina 15 minutos. Dedique plenamente esses minutos a observar o momento. Se estiver sozinho, perceba os aromas, a textura dos alimentos, se tem som quando morde um pedaço de pão crocante, veja a fumaça, sinta o seu corpo se nutrindo para iniciar maravilhosamente um novo dia! Se tiver com uma criança, experimente observar cada expressão, gesto, o olhar de curiosidade, as perguntas e tudo mais que aquele momento permite. Cada instante lhe reserva algo precioso se você estiver presente.

Observe quando você está apenas de corpo presente. Onde sua mente divaga? Alguns especialistas dizem que isso acontece por conflito de prioridades. Na dúvida onde deveria estar, acaba tentando estar em vários lugares ao mesmo tempo. E com isso, acaba não estando nem em um lugar e nem em outro.

Gosto muito do significado de presente = dádiva. Sim ter a oportunidade de vivenciar no momento presente é uma dádiva, que poucos usufruem profundamente. De uma forma ou de outra, muito rapidamente o presente se torna passado, e não poderá mais ser reescrito, apenas lembrado, se lembrado.

As suas lembranças, você constrói no presente! Então não deixe a vida passar enquanto está se distraindo. E não se distrai enquanto está com seus amados, eles poderão não estar ao seu lado amanhã. E o amanhã? Você nem sabe se existirá! Então exista agora e já!

E viva a cada dia a dádiva de ter o momento presente!

 

* Esse texto é uma homenagem a duas Senhoras muito inspiradoras, que têm sede pela vida e conexão com os momentos presentes: Helena Tonet (gratidão pelo papo muito interessante sobre como o mundo parece que perdeu a qualidade de atenção) e Voinha (avó do meu esposo), uma dama de personalidade, que vive destemidamente cada momento presente, completando 100 anos de vida no ano passado.

Comprometendo-se de coração com a sua vida!

shutterstock_519451933_peq.jpg

Quantas vezes você torna o outro mais prioridade do que a você mesmo?

Ao longo da vida, o conjunto de nossas ações escreve mais do que a nossa história, mas quem nos somos, o que valorizamos e que futuro estamos esculpindo.

Tem um motivo de ser quando você não encontra forças para realizar o que deveria fazer e se apega ao que gostaria de fazer. E tudo começa, quando deixamos de lutar pelos nossos valores.

Em algum momento, para que sua vida faça sentido, terá que poder ser íntegro com seus valores, refletida em seus relacionamentos e escolhas. Esquecer-se de quem é para atender ao outro pode lhe trazer o reconhecimento e satisfação naquele momento. Mas de forma repetitiva, vai criar em você um hábito de difícil mudança, até porque às vezes não se tem consciência que tem. E assim, vamos nos esquecendo do que é importante para nós, vivendo cada vez mais a vida do outro, até que não nos encontramos mais.

Ao longo da minha carreira apoiei várias pessoas a “reencontrar” o melhor de si, acreditar nas suas qualidades, redirecionar seus esforços e encontrar o papel que deseja ter na vida. E o ganho é imensurável em autoconfiança, bem-estar, significado e realizações. Reduz significativamente o esforço de “segurar” a essência (e isso custa caro), para simplesmente SER. Retira-se barreiras para realizações que fazem sentido para você. E mais seguros de quem você é, reconhecerá e valorizará melhor suas próprias qualidades, utilizando naturalmente para ampliar chances de sucesso.

Seja na vida pessoal ou profissional, há sempre espaço para que seja você possa colocar em ação o que você valoriza. Quanto mais forte forem suas convicções, mais força você terá para influenciar os outros e enfrentar barreiras para realizar o que desejar.

Mas se já estivermos nos sentindo perdidas?

O ponto de partida é comprometer-se de coração com a sua vida. É entender que o outro tem outras prioridades e não é você. É saber que merece mais, mas terá demonstrar que merece com ações concretas. Além disso, o segredo da vida que deseja, está dentro de si, mesmo que bem no fundo e difícil de achar, ainda assim, existe.

Então faça para si a seguinte pergunta: Estou disposto a demonstrar o meu comprometimento com meus valores todos os dias da minha vida?

Você encontrará dificuldades, mas vivenciará a cada dia novas oportunidades de viver seus valores se estiver efetivamente comprometido. Mas se tiver dúvidas, os obstáculos ganharam dimensões cada vez maiores em sua mente e em suas emoções, até parecer impossíveis de superar.

Mas como vou saber que estou vivendo meus valores?

Você já foi ajudar alguém mas não parava de pensar em algo que deveria ter feito? Já chegou numa festa que era muito importante para um amigo e se perguntou o que estava fazendo lá assim que chegou? Já deixou para última hora e dia seguinte estava se sentindo um lixo porque não conseguiu cumprir no prazo algo prometido? Já se distraiu em redes sociais enquanto alguma voz lhe dizia que não estava estudando o que se propôs e não iria passar na prova?

Todos sabem quando o que fazem não está alinhado com seus valores, mesmo quando não tem clareza de quais são. Tempo demais vivendo a inconsistência entre valores e o que você faz, resulta em vazios, frustrações, sentimento de fracasso e até medo de não encontrar mais o que faz sentido. Mas por quê as pessoas caem nessa armadilha? Porque tem necessidade de afeto, aceitação e reconhecimento. Então a curto prazo a recompensa parece mais garantida quando fazemos o que o outro deseja. Fazemos o que a mãe, a esposa, o amigo, o chefe e tantos outros desejam, reforçando os laços de afeto, aceitação e recebendo reconhecimento. Nada errado em desejar tudo isso. Mas por que não alcançar tudo isso sendo quem você é? Até porque a longo prazo, nada garante que fazer o que os outros desejam fará você mais querido, aceito e reconhecido. As pessoas se acostumam e o que você faz “vira” obrigação. E adicionalmente, é certo que terá que abrir a mão de si, se fizer tempo demais o que o outros desejam.

Então como evitar essa armadilha?

  1. Identifique os seus valores mais fortes. Em geral são poucos itens que não abrimos a mão de jeito nenhum. Os valores mais fortes dão sentido para você vivê-los no seu dia-a-dia. Um ótimo termômetro é a sua emoção. Observe quando de repente se irrita desproporcionamente ao fato. Muito provavelmente um valor importante foi agredido. Pergunte-se o que realmente o irritou? Assim como quando você se engaja em algum projeto e nem vê a hora passar. Algo nesse projeto nutre valores importantes para você. O que tem a ver esse projeto com seus valores?
  2. Coloque-se em estado de consciência. Ao observar melhor a si, começará a momentos em que o que faz não está alinhado ao que faz sentido para você. Pergunte-se o que é preciso para fazer sentido. O que está de errado com esse momento? Pode ser que precise ajustar a ação ou mudar para outra ação. Tente preencher as lacunas: Em vez (disso), faria mais sentido eu fazer (aquilo).
  3. Identifique seus padrões. O ser humano aprende e passa a repetir o que acredita que deu certo. E com isso constrói padrões e forma hábitos. A vantagem é que reduz o tempo para entrarmos em ação. A desvantagem é que o seu momento de vida pode ter mudado e aquele hábito estar sendo prejudicial. E por ser hábito, pode nem notar que faz automaticamente. Nesse ponto, lembre-se que o menos costuma ser mais. Identifique aqueles hábitos que mais trabalham contra seus desejos futuros. E identifique qual foi a necessidade que permitiu construir esse hábito. E busque novas formas de entrar em ação, que atenda essa necessidade (se ainda é uma necessidade).
  4. Identifique oportunidades para viver seus valores. Seja em seus relacionamentos ou outros espaços de convivência, as pessoas esperam o melhor de você. E você não conseguirá dar o melhor se sentir que seus valores são agredidos diariamente. Muitas vezes os desentendimentos começam não pelo que foi feito, mas porque não foi compreendido o porquê. Há um espaço enorme de conversa quando se dialoga com o coração e mostra o desejo de ser genuíno e oferecer o que tem de melhor. Igualmente de expressar nossas limitações e o porquê temos dificuldade em fazer do jeito do outro.
  5. Realinhe suas ações com seus valores. Com clareza de seus valores e tendo identificado tanto os pontos de desalinhamento quanto oportunidades ainda não praticadas, é hora de fazer escolhas para ampliar seu espaço de colocar seus valores em ação. Ser verdadeiramente comprometido de coração consigo. E tenha certeza que esse é o caminho para que seja mais e melhor também com todos à sua volta. Você proporcionará segurança às pessoas de saberem com quem contam.

A essa altura, alguns devem estar pensando no seguinte: isso não funciona. Na minha empresa não posso ser assim. Não posso abrir o jogo com a minha esposa. Imagina o que vai acontecer se eu quiser ser eu com meus subordinados.

Aí vão algumas reflexões:

  • Que problemas você tem evitado deixando de ser você?
  • E que problemas você tem ganhado deixando de ser você?
  • O que pesa mais?
  • Até quando?

Toda escolha implica em renúncia também. A reflexão desse texto é para pessoas que sentem que o preço está alto e que não dá mais para abrir a mão de si. E que é possível viver pelos seus valores sem agredir os outros. Muito pelo contrário, observe como as pessoas admiram e se inspiram em quem tem segurança no que acredita e realiza.

Se você é dessas pessoas e quer aprofundar no tema de valores, recomendo um livro que terminei a leitura recentemente e por isso inspirou o tema desse artigo: “Comprometa-se de Coração”, de Stan Slap. Nesse volume você também encontra nas páginas 67 a 72 um exercício que ajudará a identificar seus valores.

Outro livro que vale a pena é “O que mais importa – o Poder de Viver seus Valores”, de Hyrum W. Smith. Entre vários conteúdos, uma importante contribuição é a tripla equação do que mais importa: missão, valores e papéis.

A vida pode ser muito mais! Não saberemos o tempo total que temos, mas podemos sempre escolher o que fazer com o tempo que temos. Saber seus valores, permitirá colocar o que é mais importante primeiro e não esperar para ser você num futuro que pode não chegar.

Seja na vida pessoal ou profissional, o mais importante deve vir primeiro.

Acredito que há um espaço enorme para se viver seus valores no ambiente de trabalho e isso contribuirá também para uma carreira de sucesso.

Nas empresas é exigido comprometimento. Não existe comprometimento com meros números, mas com o que elas significam se você alcançar. Ou seja, as pessoas se comprometem com algo que faça sentido. Encontre uma causa e conseguirá encontrar como engajar as pessoas em torno do que propõe.

E vale uma reflexão para os líderes: como liderar sem direção? É como dizer: não me siga pois estou perdido!

Seja líder da sua própria vida! Saiba quem é e para onde deseja ir!

E lute pela vida que faça sentido! Num instante, a vida passa! E não poderá reescrever o que já passou!

Encontre o seu lugar!

shutterstock_460240759_peq
Na infinitude do Universo, quem somos nós e que espaços queremos ocupar?

Você já se perguntou qual o sentido da vida? 

Esse artigo é para pessoas que, assim como eu, já buscou ou ainda busca essa resposta. É para pessoas cuja inquietude pode levar a conquistar muitas realizações e encontrar respostas importantes para sua felicidade.

Se você nunca parou para pensar sobre o sentido da sua vida, pode ser que tenha se ocupado com muitas atividades no seu dia-a-dia, ou trabalhando para conquistar uma vida melhor para o futuro. Nada errado se você tem se sentido inteiro. Mas se apesar de muitas atividades, volta e meia vem aquela pergunta: mas a vida é só isso? Talvez seja a hora de dedicar um tempo para conectar-se consigo e encontrar o significado para o que faz e tudo o que tem “acumulado” ao longo da vida, seja bens, diplomas, dinheiro, títulos, acessórios, dispositivos eletrônicos, amizades, etc… A pergunta é: o que você tem acumulado reforça quem você deseja SER ou você tem se tornado o que acumula?

Para que encontre suas respostas para o sentido da sua vida, é preciso abrir a mão de respostas prontas. É preciso aceitar que tem o porquê para não se sentir pleno com a vida e só assim poderá enxergar algo que ainda não vê.

Abra a mão das explicações do tipo:

  • Tenho que fazer isso para depois…
  • Tive que aceitar…
  • Não tenho escolha…
  • Tenho obrigações…

Muitas situações que explicamos contêm verdades, mas não impedem realmente o aprofundamento e a busca por algo mais significativo e genuíno em todo os momentos! Talvez a pergunta a se fazer comece com o por quê: 

  • Por que tenho que fazer isso para depois…
  • Por que eu acredito que tenho que aceitar…
  • Por que eu prefiro dizer que não ter escolha…
  • Por que aceito essas obrigações…

É simples. Se eu não sei o porquê faço o que faço, a vida não vai ganhar sentido. E com o tempo, o sentimento é de a vida passou muito rapidamente e não tivemos tempo para se tornar quem queremos ser e estamos sempre adiando para um futuro, que talvez não chegue a existir.

Você tem opção de encontrar o sentido do que faz, ou ajustar o que faz ao que faz sentido para você.

Mas saiba que basta estar vivo para ter expectativas. Consciente ou intuitivamente, queremos um “lugar” que nos traga o sentimento de pertencimento, mostre que o que fazemos faz sentido e que a vida vale a pena.

O primeiro passo é querer buscar o que te completa. O curioso é que a resposta está dentro de si, mas para encontrar, é preciso buscar referências externas. É preciso se tornar melhor observador de si e do mundo. Quanto mais você observa o mundo sem pré-conceitos, mais você pode se perceber e sentir onde é o seu lugar. A ideia é “olhar” para si e não julgar o mundo. Você começa a “colecionar” sensações positivas e negativas, afinidades ou resistências, remanso ou ansiedade, significado ou vazio.

Em pouco tempo, começará a entender melhor o que faz sentido para você se ganhasse maior espaço na sua vida. Esse autoconhecimento ampliará bem estar e melhores escolhas para a vida. Mas saiba que os velhos hábitos ainda precisarão ser vencidos para que você exerça suas escolhas a favor de si.

Então em vez de continuar fazendo o que sempre fez, pergunte-se: por quê? Considere como afeta a sua vida ao manter. E decida conscientemente se é a hora de mudar.

A sequência abaixo pode lhe ajudar nessa reflexão. Para melhor utilizar, escolha algo que sempre fez, por exemplo: “sempre deixo minhas coisas de lado para atender o que os outros me pedem”. É importante lembrar de alguns exemplos concretos que comprovem que faz isso. Uns 3 (três) exemplos é um bom número. Nesse exemplo, a primeira coisa a se perguntar é por que você deixa as suas coisas de lado quando o outro lhe pede algo? Você irá identificar valores e crenças que permitem que isso aconteça. A segunda pergunta é o que acontece quando você deixa de lado suas coisas para fazer o que os outros pedem? Poderá descobrir o preço que vem pagando e há quanto tempo. A última pergunta é como você quer fazer no futuro? O exercício de como vai lhe trazer opções e consequências das futuras escolhas. Vai lhe proporcionar oportunidades de alinhar o que faz com quem você deseja ser e reafirmar o que tem sentido para você.

A ordem dos itens é essencial, portanto não passe para o item seguinte se não tem a reposta do item anterior.

Encontre o seu lugar.png

Mas saiba que aprender sobre si é um processo sem ponto de chegada, porque somos seres em evolução, sempre. Não somos hoje o que fomos há alguns anos e talvez até alguns segundos atrás.

A caminhada de encontrar-se já lhe trará o sentimento de avanço para pergunta essencial: o  que faz sua vida ter sentido?

A minha busca trouxe muitas realizações significativas e de que a vida vale a pena. Participei de muitos projetos sociais, contribuí com várias organizações e trabalho com o coaching como atividade profissional. Nas minhas relações, o que mais faz sentido é que as pessoas possam perceber a própria grandeza, tenham autonomia, ampliem as realizações significativas (seja na vida pessoal ou profissional) e sintam-se inteiros.

E acredito que atraímos o que buscamos. Recentemente concluí a leitura do livro Comece algo que faça a diferença, de Blake Mycoskie, fundador da TOMS shoes. Um livro que vale a pena ler. Reforçou as minhas convicções e trouxe novas ideias para aprofundamento. Um livro muito apropriado para a tradição de listar ações para o Ano Novo.

Desejo a você um encontro com a sua essência, chave para uma vida significativa!

Que você saiba que não há obstáculo suficientemente grande se o seu sonho é maior. E que quando se persiste no por que, sempre aprenderá mais sobre si e o que o faz feliz.

A vida é uma jornada de descobertas interessantes quando nos colocamos como aprendizes. Mas pode ser infeliz se valorizarmos mais as dificuldades do que as possibilidades de mudança.

Você decide se quer encontrar o seu lugar na vida!

Pergunto: Como será o seu futuro?

Verdades sobre o Sucesso na Carreira

 

02E65972_peq.jpgDe onde vem a ideia de que sucesso traz a felicidade? E dinheiro então…

Você pode precisar de algum dinheiro para realizar o que deseja, mas de quanto dinheiro estamos falando? Até onde você iria para alcançar o dinheiro que deseja? Quais sacrifícios estaria disposto a fazer?

E quando pensamos nas pessoas de sucesso, é comum ouvirmos pessoas dizendo que gostariam de ser assim. Eu sempre penso comigo: será que gostariam se soubessem de toda a história? Porque sempre há mais do que conseguimos ver na história dos outros. E em todas as escolhas, também temos renúncias. Simplesmente a grama do vizinho pode parecer mais verde, mas se de fato for, quanto tempo e esforço foi destinado para que se mantivesse verde?

Ao longo da vida, colecionamos o nosso conceito de sucesso na carreira, que é muito influenciado pelo mundo que observamos à nossa volta. A geração dos meus pais acreditavam em dedicação e fidelidade. Entravam numa empresa pensando em fazer carreira. A minha geração acreditava em títulos. Se estudasse nas melhores escolas com muitos diplomas de pós-graduação, mestrado e doutorado, e quem sabe outros cursos, tinha mais chance de sucesso… A nova geração dá sinais de que não deseja sucesso… pelo menos financeiro… a qualquer custo. O sucesso parece estar na possibilidade de manter múltiplas atividades que incluem fazer o que gostam e ter muita interação seja virtual ou presencial (em geral ambos).

Mas será que o mundo mudou? Ou será que nós mudamos e o mundo é o resultado de nossas mudanças? Observe como aprendemos com as histórias à nossa volta e formamos o conceito do que queremos ou não queremos para nossa vida. E uma vez supridas algumas necessidades, passamos a ter outras.

Será que existe algum modelo de sucesso que nos sirva? Você conhece pessoas que parecem ter de tudo, mas a pessoa não se sente como exemplo de sucesso? Isso acontece mais frequentemente do que tomamos consciência. Por exemplo, você já viu pessoas com um dom e a pessoa acha que não é nada demais?

Para cada indivíduo, o sucesso é único. Temos o nosso conceito de sucesso mesmo que não saibamos conscientemente. E para identificar é necessário partir de quem nós somos e quem desejamos nos tornar.

Esqueça os outros. Comece a buscar a sua resposta. O que você precisa para sentir que é um sucesso? 

Por maiores que sejam os resultados na carreira, se você não estiver feliz, o preço pode ser caro demais. E quem disse que não pode ter sucesso fazendo o que gosta?

Faça um exercício de possibilidades. Olhe a sua volta, observe as pessoas com carreiras de sucesso. Quantas parecem convencidas do que fazem? E se observá-los, será que você não se convence de que há muitas maneiras de alcançar o sucesso na carreira? Encontre a sua e comece a viver que deseja!

Você pode pensar que não é fácil. E não é mesmo. Passamos a vida olhando para fora e não para dentro de nós. Passamos a vida acreditando que se fizermos muita coisa, passaremos a ter muita coisa, que nos levará a ser quem queremos ser.

Na semana passada, participando de uma nova formação em coaching, com Eliana Dutra e Melina Kunifas, dessa vez com acreditação ACTP pela ICF (International Coach Federation), ouvi o resumo do que acredito sobre esse tema.

E se o melhor caminho fosse começar com o ser? Ao ter clareza do ser, o próximo passo é ter somente o que faz parte da vida que deseja. E finalmente, fazer o que faz sentido.

SER -> TER -> FAZER

A clareza de quem queremos ser, provoca mudanças em como percebemos o mundo e nos relacionamos com tudo à nossa volta. Tudo se modifica, no pensar, sentir e agir. Você pode ser quem você deseja. Não espere para ser. Seja agora! Quer ser admirado pela inteligência? Como são as pessoas inteligentes? Quer ser bem relacionado? Como é ser bem relacionado? Quer ser uma boa pessoa? Como uma boa pessoa vê o mundo? No seu conceito, é claro!

Alcançar o sucesso na sua carreira e na vida está bem mais perto que imagina! Não espere para o amanhã, nunca se sabe se chegará.

Seja a sua melhor versão. Aprenda a apreciar e usar o seu acervo pessoal de talentos, habilidades, crenças e valores. Entenda os seus conceitos e escolha fazer o que tem sentido para você!

E SUCESSOS!

 

 

Você faz a gestão da sua carreira?

Businesspeople Having Meeting In Modern Open Plan Office

Na minha experiência profissional, de quem passou anos dando treinamentos e trabalhando com o coaching, aprendi bastante sobre pessoas e carreiras. E quero compartilhar o que fazer e o que não fazer, se o seu desejo for de crescer na carreira.

Mas antes, quero lhe dizer que mais do que aprender com as pessoas com quem trabalhei (e aprendi muito), aprendi igualmente com a minha vida pessoal. Eu mesma me incluo na lista daquelas pessoas focadas no trabalho que passava facilmente 14 horas num dia sem parar. Chegava a bater o ponto de saída, para não gerar mais banco de horas, e permanecer na empresa trabalhando.

E num certo dia, percebo que o meu esforço era cada vez maior para manter o meu grau de exigência, em todas as frentes, e eu estava perto do meu limite. E o meu acordar foi num processo de avaliação, quando apesar de bem avaliada, definiram que o aumento iria para outra pessoa. Na hora não entendi porque fiquei tão chateada, afinal de contas, o financeiro nunca havia sido o ponto mais importante para mim. Amava trabalhos desafiadores e conviver com pessoas de diferentes conhecimentos e experiências em todo o país. E isso eu tinha.

Precisei de ouvir nos corredores a conversa de como foi decidido o aumento para eu compreender o que estava me incomodando. O trecho foi mais ou menos assim: “não temos orçamento suficiente para todos. Além disso, ela não precisa de dinheiro, ela gosta mesmo é de trabalhar, o outro não vai ficar bem se não ganhar aumento “. Pouco a pouco, fui compreendendo que estava chateada pelo que isso significava: que o critério de escolha não era resultante do valor que eu produzia para a organização, como eu acreditava que deveria ser. E não importa qual o motivo, tinham que escolher e não fui eu a escolhida.

Naquele momento tomei a decisão de que precisava de assumir a gestão da minha carreira, para que fosse na direção que eu queria, combinando aprendizagem, desafios e resultados, todos relevantes para mim. E deixei de esperar que o reconhecimento fosse resultado exclusivo de um bom trabalho.

Se a sua carreira não está como deseja, é muito provável que você se concentra mais na ação que no planejamento. Você destina quase todo o tempo trabalhando e não tem tempo para fazer a gestão da sua carreira?

Pense na gestão da sua carreira como um instrumento poderoso para alcançar o que se deseja na sua vida profissional. Inclui a consciência, o planejamento e ação. A seguir apresento algumas perguntas para sua reflexão. O conjunto faz parte de um processo de gestão de carreira.

VISÃO DE FUTURO – O que você deseja para a sua carreira em 5, 10, 15 anos? E onde estará no final de sua carreira?

MOMENTO DE VIDA E CARREIRA – O que você mais valoriza na sua vida? O que você mais valoriza em empresas onde trabalhar? O que está faltando para ser realizado? Por qual mudança significativa você gostaria de começar?

O SEU CAMINHO PARA O DESENVOLVIMENTO – Por que ainda não chegou lá? O que tem impedido ou impede que alcance o que deseja? De quantas maneiras eu posso avançar para a minha visão de futuro? Que escolhas faço pela minha carreira? O que quero fazer quando sinto que não avancei? O que quero fazer para manter a consciência do processo de evolução?

Como utilizar o conjunto acima? Comece refletindo para responder. Estará criando a consciência. Definir o como fazer é parte do planejamento. E finalmente, entre em ação e aprenda com o processo. Isso é gestão de carreira. Revisite suas anotações de tempos em tempos para entender o que não está funcionando e para valorizar o que funciona. Algumas pessoas preferirão fazer sozinhos, outras, podem gostar de trocar ideias com amigos ou pessoas mais experientes. Alguns vão preferir ter o apoio profissional de um coach.

Lembre-se que você pode trabalhar muito e bem, mas nem sempre as pessoas sabem disso. Quando estamos concentrados demais no fazer, perdemos a capacidade de atenção ao que acontece à nossa volta, perdendo muitas vezes oportunidades, que podem não voltar… E a maioria das decisões na empresa, por exemplo de definir um gestor para um importante projeto, são tomadas muito rapidamente. E se você não é lembrado, não pode ser escolhido.

Então veja algumas dicas para abrir espaços nas empresas, se tornar necessário e ter crescimento na carreira:

  • Participe de grupos de trabalho e comitês multidisciplinares. É uma boa opção para que pessoas de várias áreas ou até de várias empresas tenham oportunidade de conhecer a sua capacidade.
  • Em momentos coletivos, não entre “mudo e saia calado”. Participe, contribua e apoie. Dê oportunidade para que pessoas lhe conheçam um pouco mais.
  • Destine tempo a ouvir sem pré-conceitos. Além de aprender temas variados, você aprenderá sobre pessoas. E as pessoas se sentirão respeitados e até valorizados por você.
  • Peça conselho aos mais experientes e em cargos superiores. Além da aprendizagem, eles saberão quem é você.
  • Preza por um bom relacionamento. Ninguém é de menos. Todos na empresa tem um papel. Para você ser valorizado, ajuda muito a percepção geral sobre você. E as organizações cada vez mais apreciam pessoas com bons comportamentos.
  • Adquira novos conhecimentos. Não se limite ao que já faz, por melhor que seja. Pois isso o limita a ser sempre referência naquele tema. Quanto maior for a sua versatilidade em trabalhar bem em vários ramos do conhecimento, maiores possibilidades de ascensão e reconhecimento. Além disso, você já conviveu com uma pessoa que sempre fala do mesmo assunto? Como é conviver diariamente?
  • Mostre que tem ambições. Saiba que quando é claro que você espera algo a mais, as pessoas tendem a corresponder às suas expectativas, lembrando de você quando surgem oportunidades que é a “sua cara”.

Antes de finalizar esse texto, tenha em mente: “FAÇA O QUE AMA, ou AME O QUE FAZ”. Você terá maiores chances de se destacar se viver esse conceito, pois por melhor que seja, se o trabalho é um sacrifício, não tem dicas que tornem possível e sustentável uma carreira feliz.

Escolha viver a vida que deseja. A escolha é sempre sua, assim como as consequências!

Faça todo o possível para ter a carreira que deseja e acredite: no mínimo estará avançando na direção desejada!

 

Você não vê a hora da sua carreira “decolar”?

No primeiro texto, dediquei a explicar um pouco sobre o coaching e para quem se aplica. Mas não se compreende o coaching na teoria. Então vou contar uma história real sobre desenvolvimento de carreira com o coaching.

Como coach, tenho apoiado o desenvolvimento de carreira em diferentes momentos e necessidades. E à primeira vista, parece contraditório que nem sempre os melhores profissionais, ou mesmo os mais dedicados, são os mais valorizados.

Já encontrei excelentes profissionais, que estão insatisfeitos com a carreira e às vezes com a empresa, porque não têm recebido o reconhecimento que desejam. É o caso de um dos processos do meu primeiro ano como coach que me traz saudosas lembranças. Vou chamar o cliente de Matheus, para preservar a sua privacidade. Mas você possivelmente encontrará semelhança em pessoas a sua volta.

Como o processo de coaching funciona?

Na nossa primeira conversa, o que o cliente-coachee me relatou foi que sabe da própria capacidade, mas por alguma razão, outros menos capazes são promovidos, como aconteceu em recente processo de avaliação e aumento salarial. A ideia inicial era se preparar para mudança de emprego, uma vez que não acreditava mais que a empresa saberia valorizar pessoas com a sua competência.

O ponto de partida era definir o foco do trabalho. A partir do que o cliente trouxe, perguntei se preferia trabalhar a mudança de emprego ou o reconhecimento profissional. O que de fato desejava alcançar? E após alguma reflexão, ficou estabelecido o foco de reconhecimento profissional, seja na mesma empresa ou em outra.

O próximo passo foi estabelecer o conceito pessoal de reconhecimento, assim como indicadores e metas. Após pedir para falar um pouco mais sobre o que é reconhecimento, perguntei: como você vai saber que alcançou o reconhecimento desejado? Nesse momento Matheus iniciou o exercício de possibilidades, que resultou nos seguintes itens, que ele se propôs a alcançar: ser indicado para liderar um projeto importante, ser consultado pela gerência nos processos de planejamento estratégico e ter ascensão profissional no horizonte de 1 ano (onde for).

Com clareza do que se almeja, é importante convidar o cliente a explorar o momento atual com o olhar curioso e sem pré-conceitos. É colocar-se como um observador diferente. E buscar os elementos importantes relacionados a seus objetivos.

Um momento relevante foi quando se refletiu sobre as evidências de que não era valorizado e em que contexto acontecia. Os relatos trouxeram importantes elementos e uma percepção ampliada. O processo de coaching, que é a parceria entre o coach e cliente-coachee, revelou já na segunda sessão, que não havia evidências de que as pessoas tinham consciência sobre a capacidade do Matheus. Isto porque, por questões de valores pessoais, o cliente fazia todo o possível para não falar ou mostrar sobre o que sabia. Acreditava que um bom trabalho fala por si. Só que as pessoas estavam sempre envolvidas no volume de trabalho e não havia espaços para troca de experiências e êxitos. Mas havia apoio ou intervenção superior quando o trabalho não saía.

Uma pergunta essencial foi: o que é necessário para que as pessoas o valorizem?

Nesse momento o meu cliente me disse, após um silêncio: eles não sabem que eu sei.

Então eu perguntei: como vão saber que você sabe? E ele revelou que não gosta de se colocar nas reuniões, pois as pessoas não gostam de opiniões diferentes. Acredita que sempre resulta em conflito.

Perguntei: Isso é uma crença ou um fato?

Quando trabalhamos para identificar os elementos associados, ele pôde identificar pessoas de seu conhecimento que conseguiam expressar opiniões até contrárias da maioria e não resultava em conflitos. Mais que isso, eram valorizadas na sua opinião. Esse foi o ponto de virada para construir a permissão interior de contribuir com o que ele tinha de melhor, sem temer por conflito; algo que agredia seus valores.

Aproveitamos esse precioso momento para refletir: o que essas pessoas fazem de diferente para ter esse resultado?

Como desdobramento, é chegado o momento de refletir e identificar de quantas maneiras o cliente pode alcançar o que deseja e qual a sua maneira escolhida.

Ao longo do processo, que teve ao todo doze sessões, ele foi descobrindo novas formas de mostrar o que sabia, tanto quanto ficava feliz em identificar novas formas de resolver problemas e construir soluções.

Como ganhos do processo, a curto prazo ele já estava sendo consultado pelo próprio gestor, não somente em planejamento estratégico, mas em vários temas e iniciativas novas e prioritárias para a área. Em poucos meses, assumiu liderança de um projeto que desejava como desafio e alcançou também a promoção financeira desejada.

O que ele concluiu foi que tudo acontece por algum motivo, mas nem sempre enxergamos com clareza. Ainda mais quando estamos envolvidos emocionalmente. E uma ajuda profissional de um bom coach pode lhe ajudar a melhor avaliar momentos, trazer perspectivas claras e possibilidades ainda não trilhadas. E o melhor: com o uso do próprio potencial em ação.

Isso é empoderamento! Isso é um processo de desenvolvimento pessoal e profissional sustentável, onde as pessoas se apropriam de quem são e como utilizar melhor suas capacidades. E de forma contínua, ampliam o autoconhecimento e trabalham para alcançar suas metas!

Como você deve ter observado, o instrumento principal de trabalho do coach são as perguntas, tendo como premissa a confiança, a confidencialidade e a verdade, para melhores resultados a favor de seu cliente! Muitas vezes, tudo o que precisamos é um ambiente seguro para descobrirmos alternativas para o que queremos.

Se você, assim como o Matheus, também tem a carreira como algo muito importante na sua vida e que ocupa um tempo significativo, faça valer a pena! Extraia o máximo de aprendizado e satisfação. Não se conforme em apenas passar o dia.

Você se identificou com essa situação? Quer saber mais sobre o coaching? Busque um profissional de coaching responsável e troque ideias. Quem sabe o coaching é justamente o recurso que faltava para o seu desenvolvimento pessoal e profissional?

 

Foto: Ingimage

 

Como saber se o coaching é para você?

Vamos começar definindo o que é coaching: “É uma parceria com os clientes em um processo criativo que instiga a reflexão e os inspira a maximizar o seu potencial pessoal e profissional (ICF)”.

O coaching proporciona importantes benefícios, tais como: empoderamento, maior consciência de seus padrões, melhoria de relacionamentos interpessoais, redução de stress, maior foco, menor dispersão de energia e maior produtividade.

O coaching abrange a vida pessoal tanto quanto a carreira. E com todos os evidentes benefícios, ainda assim, o coaching não é para todos.

Agora vamos às reflexões sobre você:

  • É uma pessoa que preza muito sua autonomia e o seu desenvolvimento é consequência de suas atitudes?
  • Busca o desenvolvimento contínuo porque acredita que temos sempre a evoluir?
  • É curioso e gosta de refletir sobre a vida?
  • Sabe que o autoconhecimento é chave para reconhecer e melhor utilizar seus talentos e pontos fortes?
  • Desafia-se a identificar novas perspectivas sobre situações?
  • Busca descobrir oportunidades e ampliar horizontes?
  • Assume responsabilidade sobre a sua vida?

Se você se identificou positivamente com o conjunto de perguntas acima, muito provavelmente você vai se identificar com a abordagem de coaching.

Mas é importante se perguntar se é o momento para você.

É preciso estar disposto a refletir, ampliar o olhar e experimentar fazer o diferente. É preciso ter tempo para si. Sem a dedicação do cliente coachee, o processo de coaching pode ter o melhor profissional e ter resultados modestos.

Se a sua conclusão for de que é o momento de viver essa experiência com todo o potencial que pode proporcionar, o próximo passo é selecionar um profissional adequado para você. Leve em consideração os seguintes aspectos:

  1. Empatia. Se não está à vontade com o coach, procure outra opção.
  2. Ética. Saiba se o profissional segue algum código de ética e se está declarado no contrato a confidencialidade.
  3. Formação. Veja se o profissional tem a formação por uma escola de referência ou uma credencial de acreditação por uma entidade neutra e de reputação no mundo.
  4. Experiência. Busque informações sobre experiência anterior do profissional, tipos de trabalho e resultados. Também é muito relevante recomendações de pessoas de sua confiança que já fizeram o processo de coaching com o mesmo profissional e saiba mais.
  5. Capacidade de Escuta. Certifique que o coach efetivamente lhe escuta e leva em consideração o que você apresenta.
  6. Comprometimento. O profissional deve estar comprometido com o processo de coaching. Deve lhe esclarecer sobre o processo de coaching, os papéis que cabem às partes e as regras do relacionamento de coaching.

Agora que você já sabe se o coaching é para você nesse momento de vida, desejo que possa sempre lembrar que a vida é breve e que buscando ou não apoio, faça valer a pena todos os momentos! Nunca se sabe se teremos novas oportunidades.

Uma vida significativa depende do quanto estamos dispostos a assumir o papel principal!

Que tenha a coragem de escolher viver a vida que deseja!

 

Foto: Shutterstock.